Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Vinhos

Loiras ou morenas? Artesanais para brindar no Dia Internacional da Cerveja

  • 333
Cerveteca
1 / 8

Cerveteca

Luís Coelho

Cervejas artesanais portuguesas
2 / 8

Cervejas artesanais portuguesas

Honorato Chiado
3 / 8

Honorato Chiado

Oitava Colina
4 / 8

Oitava Colina

Restaurante Endovélico
5 / 8

Restaurante Endovélico

Cerveja Sovina
6 / 8

Cerveja Sovina

Cerveteca
7 / 8

Cerveteca

Luís Coelho

Le Moustache Smokery
8 / 8

Le Moustache Smokery

A moda da cerveja artesanal pegou e não param de abrir locais para a poder saborear com todo o vagar, de preferência a acompanhar um ou mais petiscos.

A moda da cerveja artesanal pegou e não param de abrir locais para a poder saborear com todo o vagar, de preferência a acompanhar um ou mais petiscos.

No início, todas as cervejas – que começaram a ser produzidas há cerca de seis mil anos – eram, naturalmente, artesanais. Hoje, recupera-se a tradição numa variedade de maltes e opções, entre loiras, ruivas, morenas, mais límpidas ou mais turvas. O Boa Cama Boa Mesa preparou um roteiro de locais que oferecem o melhor dos dois mundos para celebrar, à mesa, o Dia Internacional da Cerveja (sexta-feira, 7 de agosto).

Ela está por todo o lado. Para saborear sozinha ou acompanhada, a cerveja artesanal é a bebida por excelência deste verão. Uma variedade de sabores, nas suas versões morena, ruiva ou loira, mais turva, mas sempre na mesma condição: servida bem fresquinha. Para além das óbvias cervejarias, harmonizá-la com diversos tipos de gastronomia é o desafio nestes restaurantes. Hambúrgueres, pizas, fumados e comida celta são exemplos de sabores que ligam bem com o aroma apurado da cerveja artesanal. Os hambúrgueres do Honorato Chiado, aberto recentemente (Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 12, Lisboa. tel. 910 285 425), harmonizam com uma panóplia de cervejas artesanais e semi-artesanais. São mais de 50 referências - 39 engarrafadas e 11 à pressão, oriundas de países como a Alemanha, a Holanda, a Escócia e a Bélgica e preços também variados entre €3 (para as holandesa Urthel Saisonniere, a belga Houblon Chouffe e a alemã Köstritzer, todas à pressão) e €46,20 para a belga Deus.

O forno de onde saem as pizzas preparadas por Tanka Sapkota é literalmente de ouro, mas há outras propostas valiosas na pizaria Forno D'Oro (R. da Artilharia 1, 16B, Lisboa. Tel. 213 879 944) como a vasta seleção de cervejas artesanais com que nos propõem acompanhar a refeição, numa das cartas mais completas da cidade que além de um elevado número de opções inclui notas de prova a facilitar a escolha. Da alemã Benediktiner, a €3 à belga Deus “Brut des Flandres” (€49) passando pela italiana Oltremare Biscara (€17) existem quase 40 referências disponíveis. Ainda em Lisboa, a recente Le Moustache Smokery (Praça das Flores, 44, 45, Lisboa. Tel. 932 661 572) até pão de cerveja (com bacon e malagueta) tem. O conceito, que aposta nos ingredientes fumados com diversos tipos de lenha, tem uma carta bem recheada de sabores que apetece provar, como minibifana desfiada no caco (€4), Surf & Turf (lombo de vaca com gamba enrolada em presunto e compota de figo picante, €8,50), carnes a €10,95 ou €14,95 e, imagine-se, caracóis fumados. Quanto às cervejas, possuem uma artesanal de marca própria, Le Moustache, que custa €3.

Já no Porto pode experimentar a (im)provável ligação entre a comida de inspiração celta e uma seleção de cervejas artesanais: o restaurante Endovélico (Rua do Bonjardim, 680, Porto. Tel. 962 002 820) oferece tapas entre os €2,50 e os €18 a combinar com cerveja artesanal portuguesa para acentuar os sabores de ambas. O preço da bebida começa nos €1,5.

Seleção nacional
Do fino à imperial, da Vadia à Moura passando pela Burguesa, a Deusa e o Catraio, erga o copo e mate a sede de verão com uma destas cervejas artesanais made in Portugal. Nem pense em entrar num destes locais e pedir uma imperial ou um fino. Vão olhá-lo de lado. Especializados em cervejas de composição e paladar apurados, estes locais priorizam a – cada vez mais abundante - produção nacional. Verdadeiros templos da cerveja artesanal, nestes bares a escolha é eclética. Para desfrutar numa tarde ou noite quente de verão e dedicar-lhe toda a atenção do paladar.
Primeiro bar de cerveja artesanal da cidade, a Catraio Beer Shop (Rua de Cedofeita 256, Porto. Tel. 934 360 070) tem uma vasta seleção – principalmente de referências nacionais – e além de beber no local pode também investigar o que há e levar para casa. Em Lisboa, a Cerveteca (Praça das Flores, 63) reflete o lado mais pessoal da cerveja artesanal, “feita por pessoas reais, que amam as suas cervejas e que nelas imprimem o cunho do seu país, da sua cidade, do seu bairro, da sua casa, da sua vida. Pessoas que são felizes quando partilham - literalmente - a paixão que os move”. Uma partilha que aqui acontece a cada cerveja servida das mais de cem referências disponíveis, com muitas portuguesas, diversas europeias, duas norte-americanas e uma neozelandesa. China, Cuba, Austrália, Japão e Rússia estão na origem de algumas das mais de 200 - e a crescer - cervejas servidas no Lisbeer (Beco do Arco Escuro 1, Sé, Lisboa. Tel. 218 864 021), com preços a variar entre €1,70 (para a portuguesa Coral) e €34 (a belga Deus) mas com a maioria das referências a situar-se entre €4 e €5. Nas artesanais portuguesas encontramos de tudo um pouco: da Maldita (€5) à Letra (€4,20), passando pela Mean sardine (€4,50), Passarola (€4,90) ou Sovina (€4,20) há muito por onde escolher. A sul, o Boheme (Avenida da Republica, 2, Faro. Tel. 289 142 545), que funciona como bar e loja, tem mais de 30 marcas de cerveja portuguesa - artesanal - para descobrir. Toira, Passarola, Amphora, Vadia, Oitava Colina e as algarvias Marafada (€4) e a Moura (€3,5) – esta última a incluir alfarroba na sua composição – são algumas bebidas disponíveis. Apenas uma cerveja estrangeira – belga - integra o cardápio mas há uma boa razão: chama-se Faro.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook!
*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.