Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Vida

Cinema: Os 15 filmes que não vai querer perder em 2017

  • 333

Divulgação

Efeitos visuais, super-heróis e muita pancadaria: os grandes estúdios encontraram fórmulas de sucesso e prometem usá-las até à exaustão este ano.

2017 promete ser um ano de afirmação de blockbusters, não apenas da sétima arte, mas também reinventados a partir do papel ou do universo da animação. Entre sequelas e remakes, a criatividade parece cada vez mais coisa do passado, ao mesmo tempo que, em contrapartida, os avanços tecnológicos continuam a melhorar a “realidade” oferecida pelo cinema. Para quebrar o estigma, o novo ano apresenta um cartaz de grandes apostas onde o difícil vai ser escolher. O Boa Cama Boa Mesa sugere os 15 filmes mais esperados do novo ano.

A Bela e o Monstro

A magia não lhe é estranha. Emma Watson trocou o manto negro de Hermione Granger, a carismática personagem que interpretou na saga “Harry Potter”, pelos trajes já familiares de Bela, uma jovem de origens humildes que se apaixona pelo enigmático Monstro (Dan Stevens). A Disney tem apostado em projetos bem enraizados, como “A Guerra das Estrelas” ou “Piratas das Caraíbas”, pelo que não é de estranhar esta nova incursão no live action de clássicos – devem seguir-se “Cruella” e “Mulan”.
Beauty and the Beast, Fantasia, EUA

Vedações


Se não quer perder pitada na rota dos Óscares, tem mesmo de ver este filme. Denzel Washington e Viola Davis são os protagonistas de “Vedações”, a adaptação para cinema de uma peça de teatro que os dois interpretaram na Broadway – e lhes valeu a vitória nos Tony Awards de 2010, nas categorias de melhor ator e atriz. No centro, a história do casal afro-americano Maxson, que atravessa uma fase complicada, na Pittsburgh de 1950. Troy, um alcoólico, ex-presidiário e antigo aspirante a jogador de basebol profissional, tem uma amante. Já Rose vai percebendo, ao longo do tempo, que desistiu de si própria para ficar ao lado do marido…
Fences, Drama, EUA

Dunkirk
Depois de um curta pausa (que pareceu demasiado longa), Christopher Nolan está de regresso. O cineasta assume a realização e o argumento – sem a habitual contribuição do seu irmão Jonathan, – do seu primeiro épico de guerra, e volta a ter Tom Hardy num papel de relevo, naquela que será a terceira colaboração entre ambos. Em nova revisitação da Segunda Guerra Mundial, “Dunkirk” recupera a evacuação milagrosa de mais de 300 mil soldados aliados do porto marítimo com o mesmo nome, em França, depois de terem sido rodeados pelas tropas nazis.
Dunkirk, Drama, Reio Unido/França/EUA/Holanda

Star Wars: Episódio VIII
A Disney adquiriu os direitos de Star Wars e não se fez rogada: entre prequelas e sequelas teremos filmes todos os anos, pelo menos até 2020. No próximo ano chega a continuação de “Star Wars: O Despertar da Força” (2015), que marcou o regresso de Han Solo (Harrison Ford) e companhia, juntamente com novas personagens e um temível novo vilão, Kylo Ren (Adam Driver). O primeiro filme terminou com o encontro da misteriosa Rey (Daisy Ridley) com Luke Skywalker (Mark Hamill), desaparecido há vários anos, pelo que se esperam muitas respostas. Este filme marcará ainda a despedida da Princesa Leia, na sequência da recente morte de Carrie Fisher, que, ainda assim, concluiu as gravações.
Star Wars: Episode VIII, Ficção Científica, EUA

La La Land: Melodia do Amor
Afinal, os musicais sobre histórias de amor estão bem de saúde, e recomendam-se. Este musical dos tempos modernos já anda a conquistar fãs e nomeações há alguns meses, mas chega aos cinemas portugueses apenas no final do próximo mês. Ryan Gosling e Emma Stone parecem ter tomado o gosto a trabalhar juntos e encontram-se na tela pela terceira vez, depois de “Amor, Estúpido e Louco” (2011) e “Força Anti-Crime” (2013). Sebastian (Gosling), um pianista de jazz, apaixona-se por Mia (Stone), uma aspirante a atriz, alimentando um romance feito de sonhos, egos e obstáculos, mas sempre com tempo para mais um passo de dança.
La La Land, Musical, EUA

Liga da Justiça
O duelo ultrapassou o universo das comics e estendeu-se, em grande escala, ao cinema. Terá a DC o que é preciso para, tal como a Marvel, conquistar a audiência? Por enquanto não, mas, assim como em “Os Vingadores”, a DC quer testar o velho lema de que “juntos somos mais fortes” e vai recriar uma das equipas mais emblemáticas para quem gosta das histórias dos quadradinhos. Ao mesmo tempo, os super-heróis vão ganhando filmes em nome próprio, sendo de destacar “Spider-Man: Homecoming”, o sexto filme do Homem-Aranha em 15 anos, e o primeiro a solo de Tom Holland, o terceiro ator a vestir o fato desde 2002.
Justice League, Ação, EUA

Blade Runner 2049

Numa altura em que os remakes estão definitivamente na moda, Ryan Gosling tem a difícil missão de suceder à brilhante prestação de Harrison Ford, o protagonista de “Blade Runner” (1982). A ação, que acontece numa realidade futurista e cerca de 30 anos depois do filme original, retrata a jornada do agente K (Gosling) em busca do desaparecido caçador de androides Deckard (Ford). Ao mesmo tempo, o agente tenta desvendar um mistério que poderá resultar em consequências apocalípticas.
Blade Runner 2049, Ficção Científica, Reino Unido/Canadá/EUA

Power Rangers
Este é um filme que promete apelar à nostalgia das crianças dos anos 90. Para quem cresceu nessa altura, as aventuras deste grupo de heróis improváveis, formado por alunos do secundário, resultaram num fenómeno praticamente inescapável. E, embora já tenham “visitado” a grande tela nessa década, o filme de 2017 promete um impacto reforçado – também na ambição de colocar os Power Rangers novamente num lugar de destaque. Com um elenco central praticamente desconhecido, evidenciam-se os “velhotes” Bryan Cranston e Elizabeth Banks.
Power Rangers, Ação, EUA/Canadá

Guardiões da Galáxia 2
Surpresa agradável em 2014, “Guardiões da Galáxia” volta para um segundo take, com muita comédia e ação à mistura. O teaser, lançado este mês, tornou-se o segundo mais visto de sempre nas primeiras 24 horas, apenas superado por “A Bela e o Monstro” (2017), e o mais visto de sempre entre os filmes Marvel. Numa viagem pelo Espaço e pelo passado de Peter Quill (Chris Pratt), a equipa terá de manter-se unida perante as adversidades e a ajuda improvável de antigos inimigos e novas personagens.
Guardians of the Galaxy Vol. 2, Ação, EUA

Lego Batman: O Filme

Os super-heróis estão à solta e nem o cinema de animação escapa. Depois do bem-sucedido “O Filme Lego” (2014), que, inexplicavelmente, nem sequer foi candidato a melhor filme de animação nos Óscares, o Batman (voz de Will Arnett) conquista o protagonismo merecido e procura ser mais convincente que o “homem morcego” de Ben Affleck, que se estreou em “Batman v Super-Homem: O Despertar da Justiça” (2016). «Um grande poder acarreta uma grande responsabilidade», já dizia o tio do Homem-Aranha, mas lutar contra o crime na cidade de Gotham vai parecer fácil em comparação com o desafio de criar uma criança! Na animação, destaque ainda para as estreias de “Carros 3” e “Gru, O Maldisposto 3”.
The Lego Batman Movie, Animação, EUA/Dinamarca

Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias

O capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) pode até ter conseguido o seu filme a “solo”, mas o protagonismo durou pouco, uma vez que as restantes estrelas da saga estão de regresso. Will (Orlando Bloom) e Elizabeth (Keira Knightley), a par do inesquecível Barbossa (Geoffrey Rush), já foram confirmados na continuação das aventuras marítimas do caricatural Sparrow. Este, que formou dupla com Penélope Cruz no filme anterior, enfrenta agora a fúria do capitão Salazar, interpretado pelo marido da atriz, Javier Bardem, que irá complicar ainda mais a busca pelo lendário tridente de Poseidon.
Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales, Ação, EUA

Velocidade Furiosa 8
Sai Paul Walker, entram Charlize Theron e Helen Mirren. A morte trágica do ator abalou uma das sagas mais bem-sucedidas da história do cinema, mas os estúdios responderam com um forte investimento no oitavo filme, reiterando que não estão dispostos a abdicar de uma das suas “galinhas dos ovos de ouro”. O grupo volta a ser posto à prova quando Dominic Toretto (Vin Diesel) é seduzido por uma mulher mistério (Theron), envolvendo-se no mundo do crime e traindo as pessoas que lhe são mais próximas. Tudo sempre com muita velocidade e adrenalina à mistura.
The Fate of the Furious, Ação, EUA/Japão/França/Canadá/Samoa/Reino Unido

Mulheres do Século XX
O que têm em comum Annette Bening e Mike Mills? Ela é uma das protagonistas de “Mulheres do Século XX”, um filme com argumento e realização do segundo, mas, e sobretudo, ambos aparecem na tela bem menos do que gostaríamos. Desde 2010 e do surpreendente “Assim é o Amor” – que valeu o primeiro Óscar a Christopher Plummer, então com 82 anos –, que não sabíamos nada de Mills. Na sua terceira longa-metragem, o cineasta retrata a história, ambientada nos anos 70, de três mulheres que exploram a liberdade (e o amor) no conservador sul da Califórnia.
20th Century Women, Drama, EUA

T2 Transpoting
Apostar em remakes e sequelas é cada vez mais frequente e, à boleia desta tendência, “Transpoting” (1996) terá (finalmente, diga-se) continuação. Ewan McGregor, Jonny Lee Miller e Robert Carlyle têm hoje carreiras de sucesso, no cinema e na televisão, mas, em 1996, eram “apenas” atores promissores. O trio era parte integrante do núcleo principal deste filme de culto, centrado num grupo mergulhado no mundo, aparentemente inescapável, da droga em Edimburgo. Vinte anos depois, os outrora jovens são agora adultos e encontram o público numa fase bem diferente (e desconhecida) das suas vidas.
T2 Transpoting, Drama, Reino Unido

Mulher Maravilha
É preciso algum esforço, no meio da imensidão de obras sobre super-heróis, para encontrar protagonistas do sexo feminino. O fracasso de Catwoman (2004) e Elektra (2005) não terá certamente ajudado, mas há muito que personagens como a Viúva Negra, a Capitã Marvel ou a Mulher Maravilha “pedem” um filme a solo. As duas últimas terão os seus pedidos atendidos em breve, a última já em 2017. Gal Gadot tem a difícil tarefa de fazer esquecer os “desastres” das precursoras e abrir, assim, caminho a mais aventuras de heroínas em nome próprio.
Wonder Woman, Ação, EUA

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!