Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

A Última Ceia, segundo Diogo Noronha, do restaurante Pesca

  • 333

Na sexta edição da recriação do célebre jantar de Jesus Cristo com os apóstolos, o chefe do restaurante Pesca foi, com naturalidade, buscar inspiração ao mar

A premissa do desafio não é nada simples. Mais de 2000 anos depois, recriar aquela que terá sido a última refeição de Jesus Cristo antes de ser levado pelos romanos para ser pregado na cruz. É a mais célebre das refeições da história do homem, motivo de estudo, análise e até de polémicas, vinte séculos depois.



Ao longo dos últimos seis anos, o Canal História desafiou igual número de chefes para recriarem aquilo que terá sido levado à mesa e que seria chamada de A Última Ceia. Este ano o canal teve como principal inspiração o Mar, escolhendo um dos chefes mais prestigiados ligados à temática - Diogo Noronha -, para um desafio histórico: a recriação da ementa da Última Ceia de Jesus Cristo e os apóstolos, de forma inovadora.

Diogo Noronha, chefe do Pesca, considerado Restaurante Revelação para o guia Boa Cama Boa Mesa 2018, caracteriza-se por praticar uma cozinha pura, aliada ao estilo de vida sustentável e que utiliza o peixe fresco como grande matéria prima. O resultado é um míni programa, ao longo do qual os espetadores podem assistir ao processo criativo para a recriação da ceia mais célebre da História, de acordo com a sua visão e inspiração pessoal.



O menu do chefe do Pesca sustenta a recriação de quatro pratos, um couvert, uma entrada, um prato principal de peixe e uma sobremesa, que refletem uma noção de ritual de passagem, renascer, ressurreição e de nova vida. Sempre com a preocupação de minimizar o impacto ecológico da cozinha, escolhendo apenas produtos que respeitam uma filosofia de sustentabilidade.

Diogo Noronha contou com a colaboração de Adolfo Henriques, produtor da Granja dos Moinhos, reconhecido pelo seu trabalho na pesquisa e utilização de técnicas e produtos antigos no setor alimentar, nomeadamente a produção do secular trigo barbela e Joana Sarrazy, da Quinta do Poial, uma jovem agricultora conhecida por fornecer legumes biológicos e ervas aromáticas a muitos dos grandes chefes em Lisboa.



Para começar, o couvert: pão ázimo de sésamo e cominhos, acompanhado de mexilhão fumado, piso de urtigas e azedas. Como entrada: tártaro de atum com salada de trigo tufado, ervas frescas e avelãs e, como prato principal, tamboril na brasa, com cenouras brancas e raiz de salsa, caldo de açafrão e gengibre, algas e plantas costeiras. Por fim, para a sobremesa, um ovo de chocolate recheado com mousse de mel, própolis e damasco, baseando-se nas tradições que seguramente influenciaram este momento marcante na vida de Cristo.

A proposta de menu A Última Ceia do Chefe Diogo Noronha está disponível de 27 de março a 1 de abril, no restaurante Pesca (Rua da Escola Politécnica, 27, Lisboa. Tel. 213 460 633), como opção de refeição ao almoço ou jantar. Custa €50 por pessoa e, se optar pela harmonização de vinhos, acrescem mais €25.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook e no Instagram!

  • 10 restaurantes (novos) para conhecer em 2018

    Não param de surgir novas propostas que demonstram que Portugal se começa a afirmar como destino gastronómico mundial. Estes novos espaços são capazes de dar uma grande ajuda para que tal aconteça e merecem, pelo menos uma visita, em 2018

  • Guia Boa Cama Boa Mesa: 15 anos depois, o que mudou?

    Em 2003 era lançada, sob a chancela do Expresso, a primeira edição do Livro da Boa Cama e da Boa Mesa. 15 anos depois, quase tudo mudou, a começar pelo guia mas, acima de tudo, pelos seus grandes protagonistas: os restaurantes e hotéis