Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

Taberna A Laranjinha: Uma boa razão para ir à Covilhã

  • 333

Este é um espaço rústico, onde se serve o melhor que a Serra da Estrela tem para oferecer. Para petiscar, beber um copo e partir à conquista da região... 

A localização da Taberna A Laranjinha não podia ser melhor. Fica logo nas traseiras da Câmara Municipal da Covilhã, afinal de contas, um dos poucos locais planos desta cidade, quase que esculpida nas encostas da serra. Foi criada para parecer uma tasca tradicional, de vinho a copo e petiscos para dividir, mas é muito mais do que um ponto de passagem. A Taberna A Laranjinha é o ponto de encontro da cidade, e o ponto de partida, quando o sol desaparece por detrás da Serra da Estrela, para conhecer a cidade a vitalidade impressa pelos estudantes e pelos cada vez mais turistas que rumam à Covilhã.

Antes de continuar, a primeira de todas as explicações. O nome Taberna A Laranjinha, nada tem a ver com cores partidárias nem com o fruto de onde se faz o sumo, provavelmente mais consumido em Portugal. A Laranjinha vem de um jogo popular, curiosamente da região de Lisboa, que em tempos teve federação e jogadores regulares. Reza a história que a "Laranjinha", é um jogo tradicional que foi muito popular em Lisboa, em especial na primeira metade do Século XX, e que era um jogo de pontaria e destreza exclusivamente masculino.

Associado normalmente às tabernas, jogava-se num retângulo aberto no chão, com um pavimento de terra batida, coberta com uma mistura de areia e caliça, ladeado por tabelas em madeira. As tabelas laterais tinham, sensivelmente a meio, duas peças metálicas com o nome de "garrafinha" ou "polícia", que desempenham um papel especial no jogo. Para jogar a Laranjinha são precisas seis bolas grandes, de madeira maciça ou de fibra, e uma mais pequena – como as dos matraquilhos - que é chamada de "laranjinha". O objetivo é acertar com as bolas maiores na "laranjinha", acumulando pontos.

História à parte, a Taberna a Laranjinha é um espaço onde se podem provar petiscos esquecidos da maior parte dos espaços comerciais nacionais. Tem um menu de almoço fixo, diário, composto por uma sopa, um petisco do dia, exposto nas vitrinas embaciadas com o calor e acabados de fazer, e ainda uma bebida e um café, pelo número redondo representado por uma nota de €5. Todos os dias há coisas novas, se bem que na carta, fixos, pode sempre contar com petiscos que oscilam entre Selecção de Fumeiro e Queijos "Braz e Irmão'' (€8), Camarão Salteado com Alho e Piri-Piri (€8) e Cogumelos Salteados com Barriga Fumada e Ervas (€5,50).

Há também Mexilhão meia Casca com Vinagrete de Pimenta (€4,80), uma incontornável Chouriça a Taberneira (€4,50), uma deliciosa e surpreendente Truta Crocante em Molho de Escabeche (€4,30), e umas deliciosas Asinhas de Frango com Molho Picante (€4,80). As opções prolongam-se com os Calamares com Molho Tártaro (€4), com a reconfortante Sandes de Pernil e Queijo da Serra (€3) e ainda com a inevitável Bifana à Antiga (€2,50).

Caso prefira algo mais substancial, há Sopa do Dia (€1,50), um inovador Pastel de Molho da Covilhã (€3,50), um Bacalhau à Laranjinha (€11) e ainda o Polvo à Laranjinha, com migas de pão centeio e coentros e batata a murro (€13,50) e um Lombinho de Porco com Camarão, devidamente acompanhado por Batata a Murro, Molho de Alho e Coentros (€12,50). Por €10 pode ainda escolher um dos bifes da casa, da Vazia, acompanhado com batata frita caseira, que podem ser à Taberneiro, com Molho à Cervejeiro e Ovo Estrelado, 3 Pimentas com Molho à Cervejeiro e 3 Pimentas, à Pastor acompanhado por Molho à Cervejeiro, Presunto e Queijo Serra. A oferta termina com Costeleta de Borrego Grelhada ao Alhinho (€12) e Braz de Alheira com Azeitonas (€9).

Interpele os funcionários e pergunte-lhes pelas Bochechas de porco, pelo Bacalhau com natas e ainda pela deliciosa Tostada de Centeio com Fiambre Fumado, Cogumelos Silvestres, Queijo Brás e Ovo Estrelado. Guarde espaço para terminar em grande com a excelente sobremesa chamada Cremoso de requeijão com doce de abóbora.

Recomenda-se, nos finais de semana, reserva prévia e uma consulta detalhada à carta de vinhos, composta por clássicos nacionais e ainda por excelentes propostas regionais, verdadeiras surpresas para os apreciadores. E uma vontade de regressar ao passado, uma vez que a clientela universitária será capaz de contagiar o mais sisudo dos clientes. Não se esqueça que encerra ao domingo. Aproveite e parta da Taberna A Laranjinha e descubra os excelentes exemplos de arte urbana que se espelham pelas fachadas dos prédios das imediações.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!