Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

São Gabriel: conheça o Garfo de Platina 2015

  • 333
1 / 8

2 / 8

3 / 8

4 / 8

5 / 8

6 / 8

7 / 8

8 / 8

Reabriu em março e ainda mal o mês terminava e já recebia o Garfo de Platina do Guia Boa Cama Boa Mesa para o melhor restaurante de 2015. Leonel Pereira, o homem por detrás dos tachos, arrecadou o galardão de Chef do Ano.

Reabriu em março e ainda mal o mês terminava e já recebia o Garfo de Platina do Guia Boa Cama Boa Mesa para o melhor restaurante de 2015. Leonel Pereira, o homem por detrás dos tachos, arrecadou o galardão de Chef do Ano.

Leonel Pereira é um homem sorridente. Hoje o sorriso será, por certo, maior e mais genuíno, graças à distinção que recebeu no último dia de março e que o consagrou como Chef do Ano e responsável pelo melhor restaurante nacional no mesmo período, para o Guia Boa Cama Boa Mesa. Das mãos de Francisco Pinto Balsemão e do Secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes recebeu os troféus, dedicou-os também à equipa que com ele partilha a cozinha e a sala do restaurante e assumiu a responsabilidade que esta distinção acarreta. Este, afirma, “terá de ser um ano ainda melhor do que o anterior”, em que reconquistou uma estrela Michelin para o São Gabriel, uma vez que a partir de agora a atenção dos clientes está ainda mais colocada sobre as suas criações.

O novo Chefe do Ano para o Boa Cama Boa Mesa acumula mais de duas décadas de experiência, tendo sido responsável por várias cozinhas em diversos pontos do globo. Tamanha experiência permite que hoje em dia cada carta apresentada seja uma absoluta novidade, recheada de novos e genuínos sabores, de conjugações improváveis e de texturas geniais que apelam mais do que ao palato, a todos os sentidos. Por estes dias a carta ainda apresenta o crocante de batata, o Brás de bacalhau e o ovo de codorniz, bem como os mexilhões com geleia e cartilagens de porco. Na proposta de degustação há ainda um fabuloso peito de pombo em telha de arroz com amêndoa e sultanas e um delicioso e criativo borrego “Chanfana” em vinho tinto, acompanhado de nhoque de batata velha corados e molho de zimbro. Termina a refeição um creme de violetas. Mas atenção: esta carta tem os dias contados, uma vez que a criatividade de Leonel Pereira não para e em breve a carta de verão assumirá lugar de destaque.

Dono de uma inegável delicadeza, por vezes contrastante com o porte e com o passado de fuzileiro, Leonel Pereira remete a cozinha que pratica para os sabores guardados na memória da infância, que, apesar de ter percorrido mundo, nunca renegou nem esqueceu. Quando saiu de Martinlongo, uma pequena aldeia do interior do Algarve, sonhava com uma vida como barman, talvez num bom hotel ou numa discoteca da moda a misturar bebidas com sorrisos às clientes bronzeadas. Ruma ao mar e a promessa de um primeiro passo na copa a lavar copos e a cortar limões acabou por não surgir, restando-lhe aceitar um princípio de carreira a lavar tachos e panelas, numa copa de cozinha. Desgastado com este revés, não demorou três meses a negociar a saída dos bastidores culinários quando o chefe de cozinha o convida a ficar e a estudar, porque mesmo com a esfregona na mão dava ares de saber mais que os colegas com formação. Aceitou o desafio e aprendeu em escolas conceituadas como o Culinary Institute of America e na Lenôtre, em Paris.

Pelo meio, e graças às artes marciais que praticava, ainda passou pelos fuzileiros. Deslumbra-se com a cozinha de excelência praticada em algumas cozinhas do Algarve e corre a Europa numa viagem de aprendizagem constante, acabando no Brasil a comandar a cozinha de todos os hotéis de um grupo nacional. O regresso a Portugal faz-se de novos desafios, atingindo a consagração no Panorama, onde se revelou como mais do que um líder, uma espécie de progenitor de uma nova geração. No regresso ao Algarve está de novo em casa, e apesar da enorme estrutura física e da voz de fuzileiro que às vezes ainda usa para meter ordem na cozinha, revela-se cada vez mais um chefe delicado, sensível e capaz de criar alguns dos melhores pratos da história da gastronomia nacional. Com toda a justiça, este é um prémio partilhado com a equipa, em especial com Delfim João, chefe de sala e com o eficiente escanção Victor d’Avó.

São Gabriel
Estrada de Vale do Lobo, Quinta do Lago
Tel. 289 394 521

*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook!